Joias com Rubi

rubi

Que mulher não gostaria de ganhar joias? Que mulher não se sentiria feliz após ganhar um Rubi? O nome esteve presente até em novelas, significando a grande beleza da joia. Saber um pouco sobre a história da pedra pode nos ajudar a selecionar o melhor presente para a pessoa que amamos.

Em boa parte da vida humana que conhecemos, tivemos o Rubi como uma das pedras mais valiosas de todo o mundo. E não deveria ser diferente. O que falta a ele para ser perfeito? Quem colocaria defeito em seu brilho ou em sua cor? Muitos sempre pensaram que sua origem era indiana. Principalmente por um dos seus principais componentes, o coríndon, ser uma palavra daquele lugar que significa “Rei das Pedras”.

A pedra possui grande dureza e sua pontuação está atrás somente do Diamante. Há uma estreita relação entre o principal elemento do Rubi com a Safira. Normalmente, as pedras recebem tal classificação quando estão em uma cor diferente do Rubi.

Sentimentos

A cor é responsável por despertar sentimentos. O vermelho é altamente apaixonante, e é derivado de Rubens, que significa vermelho, mas não têm limites de idade. Se o desejo é despertar a paixão que há muito está esfriada, tal presente pode simbolizar uma nova era. A etapa de atenção a sua amada, de grande amor e fogo, de um sentimento desenfreado, capaz de fazer tudo o que for possível para conquista-la e amá-la. É a cor da paixão, do fogo. Uma maneira de dizer que seu sentimento pode ser provado até mesmo pelo fogo e permanecer intacto e que, ao mesmo tempo, é por ele incentivado, como algo vivo e em chamas. Por outro lado, também significa sangue, o que quer dizer que a pessoa é capaz de se doar completamente para o outro, de dar, se preciso, todo seu sangue para que sua parceira viva. Ou seja, é vida, é amor.

Entretanto, precisamos lembrar que a joia continuará apenas uma joia se não for dada com amor. Ela não tem poderes mágicos. Pode incitar que sua amada venha sentir o que muito não sente, mas tudo dependerá, também, de você.

Artigos relacionados:

Comentários